Brisbane | Visit to Lone Pine Koala Sanctuary

A semana passada tive o prazer de voltar a Brisbane, Austrália. Uma cidade catita, agradável, de inverno ameno onde os 19ºC nocturnos somente obrigam àquele casaco leve para cobrir os ombros. Gosto das cidades Australianas, há sempre um saxofone, uma guitarra, ou qualquer outra forma de arte a expressar-se pelas esquinas. Também há os Bagel Bars; as lojas Sushiro, que vendem rolos de sushi prontos a morder; a cadeia Pie Face – um franchising que vende uma variedade de tartes com um smile desenhado no topo. Há também os TimTam, os melhores biscoitos do mundo para beber com café e o famoso Vegemite – a coisa mais intragável que alguma vez provei. Adianto um pedido de desculpas por qualquer susceptibilidade que possa ter ferido, mas não encontro outra palavra para descrever o creme para barrar mais famoso do mundo, a seguir à Nutella.

Aussie stuffAcima de tudo, a minha passagem por Brisbane ficou marcada pela visita ao Santuário de Coalas Lone Pine, um parque de preservação animal, fundado em 1927, onde se encontra uma variedade notável, tanto amorosa como viscosa, de espécimes Australianos, bichos que pura e simplesmente desconhecia que existiam – toda uma Neo Arca de Noé versão “aussie.” É também o maior e mais antigo santuário de coalas do mundo. Aconselho vivamente uma visita, especialmente para quem nunca teve oportunidade de conviver com estes animais adoráveis.
Ficam então, os momentos mais marcantes.

 Pegar num Coala
É uma experiência breve, porque não deixam o bicho muito tempo no nosso colo, mas é o bastante para nos apaixonarmos por este animal de ternura pachorrenta. É macio, não tresanda o melhor dos aromas, mas isso passa despercebido no momento em que ele se aconchega nas nossas mãos e se agarra com toda a convicção às zonas de maior relevo da nossa zona peitoral.. uns atrevidos irrestíveis!

Koala Moment
Conviver com Cangurus
O Santuário Lone Pine tem uma área vasta, aberta ao público, onde se encontram os Cangurus. Como estão habituados ao convívio humano são dóceis, podemos tocar-lhes e passar o resto da tarde a acariciar o seu pelo macio. O quebra-gelo é mais fácil se trouxermos comida, a loja do parque vende uns saquinhos próprios para o efeito. Simpatizei com este exemplar preguiçoso que se derreteu com as festinhas e lá me deixou sacar umas selfies. Também se observa um vasto leque de comportamentos do quotidiano Canguru..

Kangaroo Selfie CompilationKangoos_LPKoalaSanctuaryConhecer novas espécies
Aqui, também se trava conhecimento com outras espécies autóctones da Austrália. Destaque para o Diabo-da-Tasmânia, o maior carnívoro marsupial no mundo, exclusivo da Tasmânia. São conhecidos por limpadores das florestas: comem as suas presas quase na totalidade, incluindo carne já apodrecida. No entanto, estão em vias de extinção devido ao “cancro facial do diabo-da-tasmânia,” que se caracteriza pelo aparecimento de tumores cancerígenos que se espalham por toda a face.

Tasmanian Devil CompilationApresento também o Wombat, outro marsupial australiano muito ternurento cuja bolsa se localiza nas costas para que possa manter as suas crias limpas e seguras enquanto escava as tocas. Adora dormir de barriga para cima. A comédia, não?

Wombats at Lone Pine Koala SanctuaryPor último, o Emu, a segunda maior ave do mundo, uma avestruz, versão aussie. Esta simpática ave alimenta-se à base de insectos, frutas, sementes, folhas e gramíneas. Embora ponha 6 a 12 ovos por ano, o papel de mãe não é o seu forte. Depois de colocar os ovos, toda a responsabilidade passa para o macho, que choca e cuida das crias.

Emu Compilation

Ficaram com o bichinho de ir à Austrália? Que animais gostaram mais?

Bons voos e até breve!

Maria Bonifácio Lopes

Last week, I returned to Brisbane. I love Aussie cities in general: there are always artists playing guitar on the streets, or saxophone, or expressing their skills in any other artistic way: sketches, paintings, break-dance, etc.

Besides there are the Bagel Bars, where you can stuff your favorite ingredients in the freshest bagel in town; the Sushiro stores with a wide variety of roles ready to bite straight from the box; the Pie Face stores where all kinds of pies are topped with a smiley face. Also, there´s TimTam, the best biscuit to mate along with your daily dose of caffeine, and last but (actually) least, Vegemite, perhaps the most inedible thing I ever tasted. I do apologize to all Vegemite fans but I have no other words to describe the second most famous spreadable paste, after Nutella. It´s just yuki!

Aussie stuffHowever, the best of my stay in Brisbane was a visit to the Lone Pine Koala Sanctuary, a natural park, founded in 1927, where you will find a wide variety of Australian native species and get the chance to interact live with some of them. It is the oldest and largest koala sanctuary in the world. Below are the highlights of this amazing afternoon. WARNING: there will be high levels of cuteness…

Hug a Koala
It´s a brief but just enough experience to fall head over heels for these tender creatures. The park staff helps you place the koala on your lap and gently he gets cozy, with a tendency to hold on to the elevated areas around your chest… naughty koala!

Koala Moment

Feeding Kangaroos
The Lone Pine Koala Sanctuary has a wide area open to public where you can interact with kangaroos. Since these animals are used to “mingle” around humans, they are docile and you can spend the whole afternoon canoodling their fur. The “ice” is easier to break if you bring along food, which you can buy at the park store. I got along famously with the lazy fellow you see in the picture below. He was a bit sleepy, but managed to cooperate in the photo shoot. What a cool kangaroo!

Kangaroo Selfie CompilationKangoos_LPKoalaSanctuary

Get to know new species
Featuring the Tasmanian Devil, the largest carnivorous marsupial in the world. This top Australian predator acts like a forest cleaner once it eats its preys entirely, even half-rotten meat. They are endangered due a fatal disease called Devil Face Tumour Disease, which does not have a cure yet.

Tasmanian Devil CompilationAnother highlight goes to Wombats, the cutest and rarest large marsupials in the world. They have a backward facing pouch, which protects the young from dirt, while the wombat is digging. It also loves to sleep in a very funny way…

Wombats at Lone Pine Koala Sanctuary

Last but not least, the Emu, the second largest bird in the world. A friendly Aussie version of an ostrich. You can feed them also as they share the same area with the kangaroos in the park.

Emu CompilationHope you enjoyed this trip throughout aussie wildlife! What are your favorite aussie animals?

Fly high!

Maria Bonifácio Lopes

Nice – La sauvergarde du “bronzage au camionneur”

Nice – A salvação do bronze à camionista

O magnífico Mediterrâneo. Ao contrário do verde esmeralda do Atlântico, é azul turquesa claro que escurece à medida que a linha costal se distancia.

Côte d`Azur

A temperatura encontra-se naquele ponto térmico perfeito quando a água da torneira passa de fria, mesmo antes de ficar morna e passar a quente, quando preparamos a água para rituais higiénicos, propício a banhos balneares agradáveis de pouco choque térmico. Um contraste notável quando relembro a experiência “estala-osso” que o Atlântico me habituou nas belas praias do Portinho da Arrábida. Não há areia, mas um vasto manto de seixos de estatura média que dificultam bastante a deslocação pela praia em pé descalço, principalmente para boa gente de equilíbrio desastroso como eu. Não obstante, é óptimo para um “non-cost” foot spa.

Nice é uma versão mais requintada e segura do Rio de Janeiro, com uma arquitectura mais cuidada que, por si só, é uma forte componente de embelezamento da cidade, onde se respira história e boa vida em cada portada ou parapeito de janela.

Nice2

NiceÀ semelhança do famoso cenário carioca, a paisagem também é de verdes colinas, de corpos estendidos na praia que fotossintetizam para o bronze, de troncos e membros agradavelmente vistosos e “sarados” que, de quando em vez, desfilam em modo “jogging” ou passo acelerado e pelo aroma de óleo e protetor solar salteado com os salpicos que a maresia traz da tímida ondulação. Também há um “calçadão”, apelidado de “Promenade des Anglais”.

Promenade d`Anglais

Promenade d`Anglais

A história de tal nome remonta ao século XVIII, quando um inverno rigoroso impulsionou o fluxo de imigrantes para Nice. Ora, a bifalhada “anglaisa”, já figura mascote no postal turístico Algarvio pela sua imperceptível predileção pelo bronze cancro tom de lagosta, e que no mesmo século, se havia instalado em Nice para proveito das temperaturas amenas, propôs aos recém-chegados um projeto que, segundo aqueles, era de interesse geral: a construção de um passeio pela costa mediterrânea. Foi do agrado de toda a cidade, claro está, e ainda mais dos compinchas ingleses que, se naquela altura tivessem acessado o famoso vídeo youtubesco viral sobre a importância do protector solar, talvez tivessem retificado os seus rituais balneares, mantendo a vermelhidão da pele restrita às bochechas e à ponta do nariz, sintomas típicos da sua ingestão excessiva de bebidas alcoolicas. É que assim “estragava-se só uma casa”: o sacrificar do fígado é como um simples não.. sempre garantido! Já a pele..

O passeio foi primeiramente denominado como “Caminho dos Ingleses” pelos nativos de Nice. Depois da anexação de Nice a França em 1860, o passeio mudou o nome para “Promenade des Anglais”, que ainda hoje é um nome bastante adequado dado os frequentadores do passeio, que encontram aqui a salvação do célebre “bronze au camionneur” (em português, bronze à camionista), como poderão mirar no exemplo abaixo..

Bronzage au camionneur

“Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça..”? Not.

Creio que a Mademoiselle Piaf e o Jobim teriam feito um dueto fantástico, caso se tivessem amorosamente encontrado em Nice numa frívola paixão na hbitual quinzena de férias de verão. Um artista e galã romântico de jiga-joga brasileira e uma senhora que vê sempre a vida a cor-de-rosa era para bom vento e bom casamento, entre pautas e claves, debaixo do Sol francês.

Bonjour

Para o não fluente palrador de francês, três palavras são precisas apenas para sobreviver em Nice: boulangerie, patisserie, creperie. Palavras tão deliciosas ao ouvido como para todos os outros sentidos afectados por estes estabelecimentos de motor ao verbo “engorda”.

Ah Nice.. C’est suuper, magnifique!

A Bientout Cherries!!

MERY AL BONIFACIO

Nice – The redneck´s tan salvation

The magnificent Mediterranean. Unlike the emerald green tones of the Atlantic, it´s blue turquoise that darkens as you go further from the shoreline.

Côte d`AzurThe temperature is on that perfect “thermal spot”, when water is prepared for hygienic rituals and the tap goes from cold to warm, right before it gets hot, which provides a pleasant bathing experience. Quite different from the “crack-bone” one which the icy Atlantic got me used to on my hometown beaches. There is no sand but a wide carpet made of medium size pebbles, which makes it difficult to move around the beach barefoot, specially for people with hazardous balance, like me.. Nevertheless, it´s an awesome “non-cost” foot spa.

Nice is a more exquisite and safe version of Rio de Janeiro. The very beautiful and taken care architecture is Nice´s beautification ingredient, you can breathe history and quality of life in every door or window frame.

Nice2NiceJust like Rio, the landscape is built upon green hills, oily corps that stare hours in the sun for tanning purposes, toned homo-sapiens which “catjog” shirtless along the promenade; the sunscreen aroma sauteed within sea breeze splashes from the humble ripple.  There is also a “paredão” named “Promenade des Anglais”, where all the Riviera good summer times role.

Promenade d`AnglaisPromenade d`AnglaisHistory goes back on the 18th century, when a harsh winter encouraged immigrants to Nice. The fellow “Anglais” were already established there enjoying warm temperatures and working hard for their tan. They proposed the “new-joiners” a project which would benefit everyone: the construction of a boardwalk throughout the Mediterranean coast. Everyone cheered the idea, specially the Brittish who found on the boardwalk the perfect spot to crisp up a bit their skin, up to their usual orange/reddish tone. Reason why we cutely nicknamed  them “lobsters” in Portugal, specially on the region of Algarve in the south where British are usually spotted on vacation. If, back in those days, they ever had access the viral youtube video regarding the importance of sunscreen, they wouldn´t have turn that skin tone into a trendy habit.

The promenade was first named “The Path of the English” by the natives of Nice. It changed to “Promenade des Anglais” after Nice´s annexation to France in 1860, which still is a quite suitable name due to the promenade´s users, which find there the salvation for that “redneck” tan as we can see on the picture below..

Bronzage au camionneurIn portugal, “red neck tan” is called “the truck driver tan”, once truck drivers wear tank tops, tanning only the arms, neck and face: “Tank and tan and young and reddish.. the boys from the promenade go walking..” not quite so lovely as the “Girl of Ipanema” perhaps.. Lady Piaf would have most likely seen a “vie en orange” in Nice. I do think destiny should have set Mademoiselle Piaf and Tom Jobim (the brazilian singer of “Girl of Ipanema”) into a “first sight summer love”. What a fantastic duet under the Frech Riviera sun – a brazilian heartthrob and a lady who sees life in color pink would easily turn black beans* and croissants into a “all times” musical hit. 

BonjourFor the non-fluent french speaker, three words are enough to survive in Nice: boulangerie, patisserie, creperie. Words as nice to your ears as for all other senses affected by these greety places which are totally boosters for the verb “to get fat”.

Ah Nice.. C´est supér, magnifique..!

À bientôut cherries!!

MERY AL BONIFÁCIO

*Black beans are very famous in Brazil´s cuisine; quite used in several dishes as well as a side dish on brazilian barbecues and other meals.

O mundo continua a ser pequeno

Desde que cheguei ao meu apartamento que não sabia como abrir as cortinas. Por muito que tentasse o método tradicional, elas estavam “trancadas” e para não fazer asneira não as abri. Acabei por pedir ajuda à minha vizinha da frente quando a apanhei com a porta aberta. Sem muitas cerimónias ela dirigiu-se à sala, puxou uns fios de lado e sharammm.. as cortinas abriram. Um pouco embaraçada lá lhe agradeci a gentileza de me mostrar tal básico mecanismo. Disse-lhe que era portuguesa, ao que ela respondeu: “Ah, então podemos falar português!!”.

A Iara é da Nazaré, estudou em Peniche (raio de terra está sempre no meu caminho!) e também frequentava o Bar do Bruno. Está cá há 1 ano e qualquer coisa e quiçá.. vive com mais uma portuguesa, a Ivone, e outras tantas tugas que ali aparecem para habitar o sofá em sessões de amena cavaqueira. Ontem fui eu a habitar também o sofá delas. Estava no banho quando me vieram tocar à porta. Deixaram-me um bilhete debaixo da porta “Olá Maria, somos as tuas vizinhas! Aparece cá em casa, és sempre benvinda!”. Num mundo completamente à parte, só um emigra sabe o poder de tais pequenos gestos, por outras palavras fez o meu dia.. e lá fui para a casa do lado, uma casa portuguesa.. concerteza! Estavam todas agarradas ao portátil e uma delas, a Mafalda, tinha chegado à pouco tempo de um voo.

Comecei esta semana com algumas aulas de E-Learning sobre Cultura Árabe e Informação Básica sobre Aeronáutica. No ar, também há bombordo e estibordo e senti-me a voltar à escola com os conceitos de pressão, altitude e etc. A parte da Cultura Árabe é que partiu.. sabiam que se um Árabe me vier pedir para rezar em pleno voo tenho que lhe dar um cobertor e dirigi-lo para as portas de saída? (que são a área designada para este ritual). Em cada 3 minutos, é fornecida informação sobre a direcção de Mecca para que eles se possam direccionar para as rezas e ainda temos uma refeição especial para a altura do Ramadão, caso este acabe no ar. O café deles é porreiro.. uma águinha de lavar pratos com especiarias, que diz ter bons efeitos para a digestão! Mas sabe bem, a sério!

Entretanto o Dubai tem umas leis porreiras.. namorados e amigos coloridos não podem andar de mão dada na rua (a não ser que sejam casados) e não se podem beijar em público. Dá direito a uma estadiazita na prisão. Mulheres não podem comprar a pílula, a não ser que sejam casadas e álcool.. só com uma licença apropriada que vou obter assim que tiver o visto feito! Tirando isto, esta tudo bem..!

Em relação às horas são mais 4 horas aqui. Ou seja, enquanto vcs vão a meio do dia, já eu estou a chegar perto do final da tarde! É estranho..! Enquanto vocês jantam, já eu babo os lençóis!

MERY AL BONIFÁCIO