If you go to Seattle.. you gotta eat seafood and chew gum!

Loved Seattle. Wasn´t expecting much from a city said to be grey and rainy. However, the sun was right by my side on this 48 hour layover. I was pleased to have it constantly on my face while sharing the streets with hundreds of American citizens. I have forgotten how it felt like.. the same way I forgot how it was to feel the soft, but cold, morning breeze penetrating on my skin throughout my coat´s fibbers. I don´t like cold. Reason why I do like Dubai, once there´s no winter or autumn. However, the sauna temperatures of May, June, July and August oblige us to live indoors according to the air conditioning devices spread all over Dubai. From the apartments, to the busses or taxis, to the shopping malls or to the aircraft, air condition is essential to our survival. By providing a minimum contact with the exterior, we live ignorant ever after about the temperatures outside. Therefore, it´s not surprising that a mere sneeze or a shy runny nose, sponsored by a brief contact with the light summer winds, may be seen as a kind of gift for letting us know that after all.. we are alive!

The flight was full. I noticed a Caucasian couple who was struggling to settle on the front seats with two chocolate color babies on their laps. Later on I found out the American couple had just came from Ethiopia, where a 3 year adoption process ended and, finally, they were free to bring their babies home and start a new life as a whole new family. Some cases in Portugal can take 8 years! I really would like to understand all this shitty bureaucracy around adoption processes. If it would be that easy to adopt a child as it´s easy to increase taxes in this world, I´m sure there will be much more happier children. One day I want to do just like them..! Meanwhile I reanimate my “mom instincts” with the babies on board. Some of them really capable to turn any refrigerator into soft heart.

At Seattle we were guided straight to the Crab Pot – a wild known restaurant for their sea food feasts. There are no plates or clutter. There´s a wooden board, a hammer and a tiny fork. The tables are all covered with paper towels.  The food comes in large steaming bowls and it´s dumped right in top of the table. All you see is sea food everywhere – shrimp, oysters, mussels, crabs, potatoes, corn, and so on..! It was delicious..! Since there´s no complete meal without a dessert, I ordered a Rhubarb cake – the headline of the menu on the dessert section. The waitress brought a gigantic parallelepiped shaped yellow cake, capable of feeding the whole restaurant, topped with a superb red fruit sauce. Anticipating my request, she also brought  plates for the rest of the crew, who cursed me straight away for ruining their diets. I forgot how americans appreciate XL amounts of food.

On the next day, we made an amazing tour around the city with the “Ducks Ride” – a tour operator who provides tourists with tours both on land and water throughout their very cute “amphibian” vehicles. Forget about “Seattle Grace Hospital” from Grey´s Anatomy. For everyone´s disappointment it´s fictional! The only scenes filmed in Seattle are the ones that happen outside the hospital, which actually is the front part of a mall..!

After the tour we went to the Fish Market, one of Seattle´s main attractions. There´s something very magical about that market which makes you want to taste everything you put your eyes on – the smell of freshness and the colorful lettuces and fruits.. it was something I haven´t seen in a while since I “homely” embraced the desert. I tried the famous sweet smoked salmon – a delight for my taste buds. I also bought chocolate pasta.. yes, you red it right! Imagine.. spaghetti.. but brown and tasting like chocolate. According to the shopkeeper, you boil it just like regular pasta, and serve  it as a dessert with nutela and vanilla ice cream. I could taste the pasta in my mouth already. I bought it. Of course..!

Just like Lisbon, Seattle has a bunch of hills, however with bigger slopes. If you go on a urban walk around town it kinda equals a preparation trekking trip to Kilimanjaro. Every step which involves climbing makes you feel muscles you perhaps never thought you had, from below your waist line.

In my opinion, Seattle holds the most disgusting tourist attraction. Slightly below the market area there´s a street which goes down to the sea-side. It could be just a random street, if the walls were not proliferated with chewing gums randomly glued in an artistic, and non-hygienic at all, mural. If you give it a thought.. it´s thousands of chewing gums (including the one I putted there too), from thousands of different individuals, with thousands of different types of saliva from thousands of different “mouth pieces”, in a major colorful bacterial festivity. It´s peculiar, original and even sustainable.. at least the chewing gums are not on the floor waiting for getting a ride on the citizen´s shoe soles. All chewing gums are together and united forming a wall, serving “turistically” Seattle and the curiosity of thousands of tourists, who don´t miss this spot on their sightseeing tours. Unity is definitely strenght.. isn´t it..?

Back in Dubai after a 14 hour flight, I had only 4 hours to pack my wardrobe, take a shower, get dressed, eat  and catch a taxi to the airport.. again. But this time as a passenger.. it was time to fly home, time to fly to Portugal. I comfortably sat on the A340-600 from Lufthansa and next thing I knew, Dubai was already behind me when I woke up. There was something strange on that flight.. something particularly different from the flights I operate.. it was the silence. Even the aircraft was quieter from the boeings I´m use to, and even more surprising.. there were almost NO call-bells..! There was NO “water, water”.. NO “mango juice”.. NO “complain form”. Seriously..?

I arrived in Lisbon with my levels of energy on reserve. I easily putt them up with a portuguese expresso, a delicious custard pastry and a glass of water. While I was “tasting” home again, Nani, a very known football player of our national team, was cheerfully and patiently taking pictures with the fans that minute by minute were recognizing him along the airport. What a lovely boy!

Mum said I was a little chubby, but I looked ok. First time I went home I was totally fitted and elegant, she said I should maintain myself like that.. I looked awesome! Second time, I had put a little weight but I still looked ok. This time, even more chubby, she said I looked ok. Next time, If I look like a fat Germain sausage, I´m sure I will still look ok on her eyes..! That´s just that one of a kind love – the one and only “mum´s love”.

At home.. everything was the same. Nothing had change. But.. thats exactly how I wanted things to be… I see thousands of people every work-day, once I fly several different countries per month. That means I experiment many different time-zones and consequently I sleep in a wide range of beds per month. It´s nice to arrive at my “nest” and everything is just the same as I remember from the last time I saw my bedroom. There was something different actually.. my beloved dad had grown a beard. I must say I loved it.. It kinda gave him this cool and hippie-chill posture, something I have never seen on him.. as a navy man he always kept a certain severe and very respectful version of Mr. António Lopes. Now he looked to me as Sean Connery on the movie “The Rock”. You gotta love change somehow.. it comes where you least expect it, wrapped in something called.. surprise!

This slideshow requires JavaScript.

Insha Allah Habibis!

MERY AL BONIFÁCIO

Amei Seattle. Não esperava grande coisa de uma cidade que se diz cinzenta e chuvosa quase todo o ano.. uma espécie de Londres mas à beira-mar. No entanto, e durante as 48 horas que lá estive, o sol foi uma constante. Já me tinha esquecido o que é partilhar a mesma rua com uma multidão imensa de gente, com o sol a bater na testa e a leve, mas fria, briza de uma manhã de Outono a penetrar nas fibras do meu casaco. Eu não sou adepta do frio, razão pelo qual gosto de viver no Dubai.. porque não há frio nem Inverno. No entanto, devido ao calor imenso de Maio,Junho,  Julho e Agosto somos quase obrigados a viver enclausurados em qualquer compartimento com ar condicionado, um bem essencial à nossa sobrevivência e bem-estar no Dubai. É de casa para o taxi, do taxi para o centro commercial; do autocarro para o aeroporto e do aeroporto para dentro do avião.. tudo com o menor contacto exterior possível, para que passem despercebidos os 47º lá de fora. Portanto, não é de estranhar que um simples espirro ou um narizito tímido a pingar, fruto do contacto com os leves ventos do final de verão, se façam sentir com um certa conotação de dádiva.. “afinal.. eu estou viva!”.

O voo foi cheio para Seatle. Na minha cabine não pude deixar de reparar num casal caucasiano que se ajeitava na fila da frente carregando ambos um bébé em cada colo – dois irmãos bébés de carapinha e pele côr de chocolate que fizeram as delicias de toda a tripulação. O casal Americano, tinha vindo da Etiópia onde tinha findado um processo de adopção que durou 3 anos. Finalmente, tinham carta branca para levar os bébés para casa e começar uma nova vida. 3 anos para começar uma nova vida. Sei de casos que em Portugal demorou 8 anos. Alguém me explique toda esta burocracia à volta dos processos de adopção que a mim é uma coisa que me transcende..! Um dia, também quero ir à Etiópia, ou qualquer outro país, e fazer como eles. Até lá, re-animo o instinto maternal que há em mim com os bébés que vão aparecendo a bordo, alguns capazes de tornar qualquer frigorífico num coração mole.

Chegados a Seatle, a palavra de ordem foi.. fome (muita fome). Fomos guiados pelo nosso chefe de cabine até ao “Crab Pot” – um restaurante bastante conhecido pelos seus banquetes de marisco. Estes banquetes são servidos de uma forma bastante peculiar.. não há pratos, nem talheres.. apenas uma tábua de madeira que é colocada à nossa frente, juntamente com um martelo e um garfo xs. As mesas são cobertas com toalhas de papel. Não há travessas. O marisco vem a fomegar em taças gigantes de metal e é despejado com muita dó e piedade directamente em cima da mesa, emanando um aroma a paprika.

–    Maria.. how´s your feast? – perguntou-me o capitão.
–    Well.. I´m really sorry, but it doesn’t beat the Portuguese sea food.

E foi verdade. Foi tudo muito bonito e delicioso, mas não bateu aquele sabor da mariscada tuga, embora tenha sido um banquete e pêras..! Para mim, não há refeição que se apresente completa sem uma sobremesa. Pedi um Rhubarb cake, aparentemente o tradiiconal supra-sumo do menu em termos de sobremesas. Para a mesa, veio um bolo em formato paralelepípedo gigante que dava para alimentar, não só a mim, mas o restaurant inteiro. Já me tinha esquecido como os Americanos adoram exagerar nas doses.. aquela não foi excepção. O bolo era amarelo, cozinhado numa frigideira e coberto com uma compota fresca de frutos vermelhos. Para juntar à festa, veio uma taça de gelado de natas para ser juntada ao festim pós – prato principal. A empregada antecipou-se logo e trouxe pratos e talheres para o resto da tripulação, que me agradeceu prontamente por eu lhes ter arruinado a dieta.

No dia a seguir fiz uma tour pela cidade. “The Ducks Ride”, a tour que nos deu a conhecer Seatle por terra e por mar, num veículo amfíbio bastante engraçado. Ficámos assim a conhecer os pontos mais interessantes de Seatle. Esqueçam o hospital Seatle Grace que dá vida à série Anatomia de Grey. É ficcional e as únicas partes filmadas em Seatle são as que acontecem à saída do Hospital.. que é nada mais nada menos que a faxada de um Centro Comercial.

Finalizada a tour fomos ao Mercado do Peixe, um dos sítios mais populares de Seatle. Um Mercado super acolhedor onde apetece provar e comprar absolutamente tudo o que se vê à frente. Provei salmão fumado doce, uma das especialidades de Seatle. Uma delicia! Comprei um pacote de massa de chocolate.. sim leram bem.. massa de chocolate.. imaginem esparguete, mas de chocolate. Perguntei à vendedora o que deveria fazer com aquilo, enquanto agarrava o pacote de massa numa de pegar ou largar.. “Cozes a massa e depois serves com nutela e gelado de nata.. é uma sobremesa!” – fui completamente vendida a esta visão calórica do demo e lá comprei o pacote de massa.

Uns lanços de escadas abaixo e estamos novamente na rua. Tal como Lisboa, Seatle é também uma cidade cheia de colinas, mas com um declive bem maior que as da nossa capital. Um passeio urbano-turístico aqui equivale a um passeio de trekking de preparação para subir ao Kilimanjaro. Tudo o que é músculo inferior ganha mais vida em cada lanço de pavimento que implique o acto de subir.

Seattle tem também, na minha opinião, a atracção turística mais nojenta à face da terra, mas num bom sentido. Um pouco abaixo do Mercado, deparamo-nos com uma rua em arcada que desce até à beira-mar. Seria apenas uma rua qualquer, se as paredes não estivessem proliferadas de pastilhas elásticas coladas aleatoriamente, num mural que tem tanto de artístico e colorido como de muito pouco higiénico. Se pensar-mos bem.. são milhares de pastilhas elásticas coladas numa parede, saliva de diferentes cavidades bocais (incluindo a minha que meti lá uma pastilha elástica também), num festim bacterial super colorido e igualmente artístico – é no minimo peculiar, mas igualmente original e até sustentável.. é que ao menos as pastilhas não estão pelo chão à espera de apanhar boleia numa sola de sapato qualquer. Estão todas aglomeradas numa parede e, como a união faz força, ocupam um lugar prioritário no roteiro turístico dos visitantes de Seatle . Não há ninguém que passe por ali sem visitar a “Gum Wall”.

De volta ao Dubai depois de 14 horas de voo restavam-me apenas 4 míseras horas para fazer as malas e pôr-me de novo em movimento. Era tempo de ir para casa. Tempo de ir para Portugal. Tomei um duche rápido, basicamente peguei no armário e meti-o dentro da mala sem selecção têxtil prévia e lá estava eu de novo.. na azáfama do mundo da aviação. Sentei-me no A340-600 da Lufthansa e dali só acordei já no ar com o Dubai bem para trás das minhas costas. Havia algo de estranho naquele avão.. algo que não acontece nos voos que costumo operar.. o silêncio. O barulho do avião em si era apenas um suspiro em comparação com o típico B777, mas não era isso que me estava a fazer a tal sensação de estranheza.. não ouvi quase nenhum “call-bell”. Era um voo de 6 horas. Depois de ter dormido 2h e qualquer coisa, passei o resto da viagem a papar filmes e séries que o pobre sistema audiovisual da Lufthansa oferecia. Durante o resto do voo.. não ouvi vivalma de call-bells.. ninguém pedia água ou “mango juice” ou cerveja “halal” ou o raio de uma “complain form”. Alguns passageiros eram daquelas nacionalidades que me saúdam em voos domésticos, mas estavam igualmente receptivos à inércia de não dedilharem a campainha.. (wtf..??)

Cheguei a Lisboa já meio morta, mas recuperei alguma genica com a bica, o pastel de nata e o copo de água que pedi num quiosque do aeroporto. Felizmente encontrei uns euros perdidos da michelânia monetária internacional que a minha carteira apresenta hoje em dia, para pagar. Caso contrário teria que lá ficar a lavar pires e chávenas. Enquanto todo o meu corpo se saciava destes sabores nacionais (até da água “del cano”) o Nani pousava para fotos com os fãs que o iam reconhecendo e pediam para tirar fotos. Um amor o rapaz!

“Estás mais cheiinha, mas estás bem assim..” – disse-me a minha mãe quando entrei no carro. Quando vim a Portugal pela primeira vez disse-me que estava bem mais magra, super elegante e que me deveria manter assim, que estava muito bem! Quando vim a segunda vez, já não estava tão elegantemente magra, mas continuava bem assim. Desta vez, e mesmo mais “cheiinha” continuo bem assim. Creio que para a próxima, se vier a rebolar e com o rêgo fora das calças.. também devo estar bem assim..! Não há de facto outro amor na vida igual ao amor de mãe.

Estava tudo na mesma. Nada tinha mudado. Mas era assim que eu queria mesmo.. ando por sítios diferentes todos dias, durmo em várias camas diferentes por mês, experimento cerca de 3 ou mais fusos horários por mês, culturas, comida, etc… é tão bom chegar a casa e estar tudo na mesma como deixei. Havia só uma coisa diferente.. o meu pai deixou crescer a barba. Aquela faceta mais formal e autoritária que lhe era característica, desvaneceu-se com o novo acessório capilar, que lhe dá um ar mais calmeirão e “cool”! haha Modéstia à minha parte, fez-me lembrar o Sean Connery no filme “The Rock”! Gostei muito!

This slideshow requires JavaScript.

Insha Allah Habibis!

MERY AL BONIFÁCIO

6 thoughts on “If you go to Seattle.. you gotta eat seafood and chew gum!

  1. Adoro entrar nesse blog e ter mais uma novidade da minha aeromoça :))) que saudade que da e comp fico feliz em saber que estas bem! Bom, que estas bem em modo geral, feliz, alegre, cheinha, contente,… Ahahhaha! Isso é coisa de mãe mesmo… A minha também diz o mesmo.. Alias estamos sempre cheinhas, fortinhas mas nunca gordinhas!!! Lolol
    Meu amor, continua a desvendar o mundo pois ele é teu!! Eu por aqui continuo com os dedos cruzados :)))
    Beijos gigantes ❤ love you!

  2. hey Maria! very cool blog, more useful than a travel guide and def more entertaining…thx for giving me the link and look forward to the next one. seeya
    Ali

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s